Ayvu Rapyta – León Cadogán:

Ayvu Rapyta

Pesquisa:
http://pueblosoriginarios.com/textos/ayvu/ayvu.html

http://www.nhanduti.com/Libros.PY.PT/Cepag_Ceaduc.PT/Ayvu%20Rapyta/Ayvu_rapyta.html

Ayvú Rapyta ou a Origem da linguagem humana

Desde 2008 eu venho transdelirando, digamos, teletransportar o portunhol silvestre, muita alegria e Liberdade com kunu’u, o “Ayvú Rapyta, os textos míticos da Mbya Guarani del Guaira” coletados antropólogo paraguaio cabelo León Cadogan entre 40 e 50, e publicado pela primeira vez por Egon Schaden forma em boletim da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras da USP, em 1959.

hum par de semanas atrás, terminei o Op plazerosa teletransportar o selvagem “Ayvú Rapyta” inteiramente à portunhol, Masomenos 200 páginas, considerada Uma das raras gemas de literaturas indígenas, tanto SUA Poetika riqueza, kosmofonica, kosmogonica, filosófico, como por valores estéticos SEUs selvátikos inatos intransferibelles orginaes.

O lado lusofoniko da Fronteira, o poeta Josely Vianna Baptista, also Pesquisadora e tradutora de literaturas indígenas do Paraguai, acaba de publicar em livro Seu poesia “Barroco Rock” (Cosacnaify, 2012) três fragmentos de “em craft Ayvú Rapyta’ e bela transjoselyviannainbencione para o Português brasileiro.

Vai hum ser bonito Acontecimento ver em Rapyta publicado em breve Ayvu Inteiro em Sylvan Uma Brasileira portunhol pelo editor. Tomá-lo com certeza. O Ayvú Rapyta, com suo brilhando selvatiko vigor, SUA kualidade chama orvalho, animando suo tatáchiná, SEUS Mbyá Selvagens guaireños paraguayensis ritmos, é muito real, e merece ser conhecido Mais e apreciado por leitores de cidades civilizadas.

.

O Nascimento Linguagem Humana

1
Ñamandu Ru Ete Tenondegua
Um pequeno pedaço de PRÓPRIO Seu ser Céu
SABEDORIA eu tinha em Seu Céu ser
vai com Seu saber que era Abrindo como flor
Houbessem feita chamas aceleradas fracas e nevoeiro

2
Habendo inbentado se MESMO
De sabedoria que ele tinha em Seu Céu ser
Por Seu saber que se abre como uma flor
Hoube que houbesse o Rapyta Ayvu
De sabedoria que ele tinha em Seu Céu proprio ser
Por Seu qua saber que flor se abre
Hoube Ñande Ru houbesse o Rapyta Ayvu
E fizesse Coisa em Seu Céu ser divinamente
Foi when non Terra
Em Meio à escuridão primitibas
QUANDO não sabia nada AINDA
Fez Rapyta Ayvu o abrisse flor qua
E fizesse em Seu ser divinamente Coisa di Céu
Fez Isto É Ñamandú Ru Ete tenondegua

3
Habendo que houbesse o Ayvu futuro Origem humana
A sabedoria que ele tinha em Seu proprio ser di Céu
Por Seu qua saber que flor se abre
Hoube têm a Origem de amor (o outro)
QUANDO não existia Terra
Primitibas entre escuridão
QUANDO AINDA nada se sabia
com Seu conhecimento que se abre como uma flor
flor Fez qua abrisse a Origem Fontano Love (o outro)

4
Habendo fato de que o Rapyta Ayvu é abrisse como flor
Habendo feito flor abrisse Qual o amor UNIKO
De sabedoria que ele tinha em Seu Céu ser
Por Seu saber que se abre como uma flor
flor qua Fez abrisse um enkantado kanto em SUA solidom
QUANDO não existia Terra
Entre a escuridão antiga
QUANDO nada se sabia AINDA
Fez que abrisse como flor A enkantado kanto em solidom SUA

5
Habendo em SUA solidom feito isso abrisse como flor do Rapyta Ayvu
Habendo em SUA solidom feito isso qua hum poko abrisse flor do amor UNIKO
Habendo já feito em SUA solidom que abrisse como se uma flor para kanto enkantado
Kalkulou inkalkulabelmente
Quem merecia belas futuras primeiras palavras
Quem Esse UNIKO merecia amor
Quem merecia belas futuras primeiras palavras tinha kanto
Habendo inkalkulabelmente kalkulado imponderabellemente
De lá Sabedoria escondidos proprio em Seu Céu ser
Por Seu saber que, como flor se abre
Hoube essa flor abrissem qua que é Parceiros fizeram do Céu Seu ser

6
Habendo inkalkulabelmente kalkulado imponderabellemente
A Sabedoria ser contido em PRÓPRIO Seu Céu
Por Seu qua saber que flor se abre
Fez ser o Ñamandu de grandote korazon como Céu
Fez houbessem já Propriá luz do conhecimento de cada hum
Foi when non Terra
No Meio escuridão primitiva
Fez ser o Ñamandu de grandote korazon como Céu
futuro Pae para milhares de crianças SEUS
Para Verdadeiro PAE palavra-almas de futuro SEUS milhares de crianças
Fez ser o Ñamandu de grandote korazon como Céu

7
em seguida
O contida Sabedoria em Seu Céu proprio ser
Pelo seu conhecimento que se abre como uma flor
Berdadero Pae o futuro Karaí,
Berdadero Pae o futuro Jakaira,
Berdadero Pae o futuro Tupã
Fez soubessem tem Origem Céu
Berdadeiros Paes para suas futuras milhares de crianças
Para verdadeiros Paes palavra-almas de seus futuros milhares de crianças
Fez soubessem tem Origem Céu

8
Após Ru Ñamandu été
Para que seria na frente de Seu korazon
futuro Ñamandu Chy Verdadeira Eterã’i
Fez soubesse tem Origem Céu
Karai Ru Eté
Para que seria na frente de Seu korazon
futuro Ñamandu Chy Verdadeira Eterã’í
Fez soubesse tem Origem Céu
Jakaira Ru Eté igualito
Para que seria na frente de Seu korazon
futuro Ñamandu Chy Verdadeira Eterã’i
Fez soubesse tem Origem Céu
Tupã Ru Eté, da mesma forma,
Para que seria na frente de Seu korazon
futuro Ñamandu Chy Verdadeira Eterã’i
Fez soubesse tem Nela Origem Céu

9
Haberem conhecido por saber as Sabedoria Seu Céu possuir Guu tenondegua
Por haberem sabe ayvurapytara’i conhecida a palavra carne e guueso
Por haberem sabe primitibo conhecido o amor (o outro)
Por haberem sabe berdadeiras conhecidas as palavras de enkantado kanto
Por haberem sabe Sabedoria conhecidos a flor que se abre qua
Eles tambem são xamados
Berdadeiros Paes de CEU palavras-almas
Berdadeiras Maes Céu de palavras-almas

Para demonstrar que o fragmento de 6 Deste kapítulo REFERÊ-se para lacreacción sol, transcrevo a seguir a música que leva para o céu de todos os Mbyá manhana “ortodoxo”. (Nota de León Cadogan)

10
Ô Ñamandu Ru Ete tenondegua!
mundo teu Em de grande Ñamandu korazon como Céu
parece resplandescente
como Céu teu saber que flor qua abre
Para os ativos I foi que aqueles com quem de inbentastes arcos
Houbessem sabe CAIR e CAIR elevador e elevador sozinhosHabemos sabe sozinhos
Sendo ASSIM e não assado
indestrutíbelles palavras
Jamais será falso-fracas sad-Servis-and-tavyrongas ritmo Em Algum
Nós poucos órfãos de PARADISO
Vivemos nostras nostras palabrasSomos palavras topo nuebamente
Por nostras próprias palavras
SEJA sempre nos permitiu levantar milhares de inkalkulábeis milhares de vezes¡
Ô Ñamandu Ru Ete tenondeguá!

11
Sendo antes de ser Um Céu ser
“Fogo e poder vivificante de inbención haze”, como dizem
Ñamandu tenondeguá
Fez houbesse como parte do Koisa do Céu Seu ser
Koisa sem uma koisa que é o Koisa estar assistindo esta Koisa

12
Nas selvas do mundo
Nim o melhor dos quais levam adorno masculinidade
Nim o melhor dos quais levam adorno feminilidade
Puderam poderiam PODEM Um Dia surrondings você sabe que Koisa
Venha fazer esta Koisa de tal Koisa de Koisa inkonhecíbel

13
Este Entretanto Koisa
Aqueles que Vivem-kantan a palavra Verdadeiro fervor com devotada
De possuir Céu seres sabem que haberán
Por que é que Diz
“Fogo e poder vivificante de inbención haze”

14
Por ISTO Ñande Ru
Fez tem mesmíssimo centro Seu nel korazon
A palavra Origem originais Céu
originalmente Hoube que qua flor abrisse

15
A Isto É chamada
“Fogo e poder vivificante de inbención neblina
“Pela palavra é a palavra
A palavra andaram com SUAS próprias pernas
À luz do coração sol Seu
Por toda a terra
E todo o céu
Houbesse absolutamente nada que ficasse fóruns de todos os seus-VE
Até que existem existem e Coisas nim AINDA e são parte di Seu Céu ser
Por Sua própria palavra que abre flor qua
“Fogo e poder vivificante de inbención haze”
“Sun korazon céu”
Ñamandu disse Ru Ete tenondegua

[Teleportadas para Portunhol sylvan por Douglas Diegues das bersiones León Cadogan e Bartomeu Melià]

 

Ayvu rapyta

1
Ñamandu Ru Ete tenondegua
oyvára peteïgui,
oyvárapy mba’ekuaágui,
okuaararávyma
tataendy, tatachina ogueromoñemoña

2
Oãmyvyma
oyvárapy mba’ekuaágui,
okuaararávyma
ayvu rapytarã i oikuaa ojeupe.
Oyvárapy mba’ekuaágui,
okuaararávyma,
ayvu rapyta oguerojera,
ogueroyvára Ñande Ru.
Yvy oiko’ëyre,
pytu yma mbytére
mba’e jekuaa’eÿre,
ayvu rapytarã i oguerojera,
ogueroyvára Ñamamdu Ru Ete tenondegua.

3
Ayvu rapytarã i oikuaámavy ojeupe,
oyvárapy mba’ekuaágui,
okuaararávyma
mborayu rapytarã oikuaa ojeupe.
Yvy oiko’eÿre,
pytu ymã mbytére,
mba’e jekuaa’eÿre,
okuaararávyma
mborayu rapytarã i oikuaa ojeupe

4
Ayvu rapytarã i oguerojera i mavy,
Mborayu peteï i oguerojera i mavy
Oyvarapy mbaekuaágui,
Okuaararávyma,
Mba’e a’ã rapyta peteï i oguerojera.
Yvy oiko’eÿre,
Pytü yma mbytére,
Mba’e jekuaa’eÿre
Mba’e a’ã petei i oguerojera ojeupe.

5
Ayvu rapytarã i oguerojera i mavy ojeupe;
Mborayu petei i oguerojera i mavy ojeupe;
Mba’e a’ã petei oguerojera y mavy ojeupe,
Ochareko iñóma
Mavaëpepa ayvu rapyta omboja’o i anguã;
Mborayu pete ï omboja’o i anguã;
Mborayu pete ï omboja’o i anguã;
Mba’e a’ã ñeychyrõgui omboja’o i anguã.
Ochareko iñómavy,
Oyvárapy mba’ekuaágui,
Okuaararávyma
Oyvára irürã i oguerojera.

6
Ochareko iñómavy,
Oyvárapy mba’ekuaágui,
Okuaararávyma
Ñamandu Py’a Guachu oguerojera.
Jechaka mba’ekuaa reve oguerojera.
Yvy oiko’eÿre,
Pytü yma mbytére,
Ñamandu Py’a Guachu oguerojera.
Gua’y reta ru eterã
gua’y reta ñe’ëy ru eterã,
Ñamandu Py’a Guachu oguerojera.

7
A’e va’e rakyguégui,
Oyvárapy mba’ekuaágui,
Okuaararávyma,
Karai Ru Eterã,
Jakaira Ru Eterã,
Tu pã Ru Eterã,
Omboyvárajekuaa
Gua’y reta ru eterã,
Gua’y reta ñe’ëy ru eterã,
Omboyvára jekuaa.

8
A’e va’e rakykuégui
Ñamandu Ru Ete
opy’a rechéiguarã
omboyvára jekuaa
Ñamandu Chy Eterã i;
Karai Ru Ete,
Omboyvára jekuaa
Opy’a rechéiguarã
Karai Chy Eterã i.
Jakaira Ru Ete, a’érami avei,
Opy’a rechéi guarã
Omboyvárajekuaa
Jakaira Chy Eterã i.
Tupã Ru Ete,
a’érami avei,
Opy’a rechéi guarã
Omboyvárajekuaa
Tupã Chy Eterã i.

9
Guu tenondegua yvárapy
mba’ekuaa omboja’o riréma;
ayvu rapytarã i omboja’o riréma;
mborayu rapyta omboja’o riréma;
mba’e a’ã ñeychyrõ omboja’o riréma;
kuaarara rapyta ogueno’ã rire,
a’ekue ípy:
Ñe’ëy Ru Ete pavëngatu,
Ñe’ëy Chy Ete pavëngatu,
Já’e.

10
Ñamandu Ru Ete tenondegua!
Nde yvýpy Ñamandu Py’a Guachu
Oyvára jechaka mba’ekuaa
Ogueropu’ã.
Reropu’ãukáramoma
Ne remimboguyrapa,
Ore ropu’ã jevýma.
A’éramoma,
Ayvu marã’eÿ
Kuriéramo jepe oguerokãngy
Katuï vare’ÿ jevyma
Ore, yvára tyre’y mbovy i,
Regueropu’ãma.
A’évare,
toropu’ã jevy jevy,
Ñamandu Ru Ete tenondegua.

11
Mba’e porãvyma
“Kuaarara tataendy, tatachina”, e’i
Ñamandu tenondegua
Rangë a’e va’erã
Ogueromoñemoña

12
Yvy rupáre,
Jeguakáva porãngue i jepe
Jachukáva porãngue i jepe
Oikuaa va’erã’ey:
A’e va’e iupitypy’ey

13
Va’e jepe
Oñembo’e porã añetegua va’épe
Marãramipa
“kaarara tataendy tatachina”, e’i,
oikuaauka va’erã

14
A’evyma Ñande Ru
opy’a mbyte mbytépy
ñe’engatu rapytarã’i
omboupa tenonde va’ekue

15
Va’épema:
“Kuaarara
tatanedy tatachina”, e’i
A’évyma,
Opy’a jechaka Kuaray reve
Omoñembo’yvyma,
Yvy javére
Yva javére
Omokañya jipói anguã ete
O’evyma
Oguerojera va’ekuépema:
“Kuaarara tataendy tatachina,
yvára Kuaray i”,
e’i Ñamandu Ru Ete Tenondegua

[Original mbyá’guarani coletado e transcrito por León Cadogan]

Notas León Cadogan

Para interpretar corretamente o conteúdo destes versos que são, a meu ver, o espiritual importante Mais kapítulo o teko (modo de ser) Mbyá-Guarani, é indispensábel Tem prezente que Ayvu: lenguajen Humano; ñe’ëy: palavra; e e: Dizer; encierram, para nós, o conceito Duplo de “ideias expressar” e “parte divina da alma”. Este foi sinonímia qual não me incentivou a estudar minuciosamente o teko ete espiritual de Jeguakáva, e este trabalho deve ISSO, frutas Mais de seis anos compilação hinos, Pray, mitos e tradições. Antes de me tornar convencido Desta sinonímia, HiZe o Seguinte Dois Pergunte versadíssimos mburuvichá: Kachirito, Paso Jováy e kaxike Pablo Vera, Yro’ysã (Potrero Blanco):

“Eles são estibesses discorriendo em Porã ne’e Tenonde (bela primeiras palavras) e seus netos preguntassem o significado de Ayvú Rapyta, o que lhes responde?” Kachirito respondeu:

“Ayvú Rapyta oguerojera, ogueroyavára Nande Ru Tenonde ñe’ëy mbyterã: A fundação da lenguajen humana Padre Nostro As primeiras coisas inbentou e Hoube que fosse de divindad Qual sua medula da alma-palavra”.

E o kaxike Pablo Vera:

“Ayvú Rapyta, Ypy ñe’ey, Nande Ru tenondekuéry yvy rupáre opu’ã Va’erä gua’y retenção omboúmavy omboja’o: A fundação da linguagem humana é a palavra-alma original, que nostros primeiros pais, enviando suas muitas crianças a andar TERREAL com moradia para próprias pernas, lhes repartiram”.

Em Uma versione muito abreviada Deste I kapítulo publicado no Jornal da Sociedade Científica do Paraguai (1946 Cadogan c) Ñamandu Ru Ete foi criado por Nande Ru Papa Tenonde. páginas Nthese versão transcrita foi ditada por kaxike Pablo Vera eo major Francis, Tava’i, San Juan Nepomuceno, o TAMBÉM quaes papa usou o nome quando se refere Tenonde-se o Ser Supremo, mas não disseram que ele tinha ELE criado Ñamamdu Ru Ete, mas Ñamadu Py’a Guachu, como contexto nel aparece. Para chamar a atenção para a discrepância entre as duas versões, como manifestaram-los – como habíam informou-me – Papa Tenonde é o nome Christian do Criador. Posso acrescentar que a presente aprovação versão mereceu de Patrício Escobar, líder do Bordas, Charata; e Laureano Escobar, Tapyta, San Juan Nepomuceno.

Notas León Cadogan
.
Ayvu. Lenguagem humano em mbyá-guarani e Apapocuva-guarani acordo com Nimuendajú. Em guarani “Classico” Esta palavra significa “ruído”, uma idéia que Mbya em Expressa com a voz evovo (hevovo) que você pode Tesouro aparece: 148V; 362v, Montoya.

Ñe’eng, ñe’ëy, ne’e. Guarani em Comum ne’e lenguagem humano significa aplicar-se também fazer canto dos pássaros, chilrear de alguns insetos, etc. mbyá Em, é aplicado-ruído de insectos, aves e animais para; ne’e Porã Tenonde significa “belas primeiras palavras”, e tradições e mitos “esotéricos”, mesmo que designam Mais frase frequentemente usada Ayvu Porã. Ñe’enguchu:, voz forte poderoso; a voz Mudança na puberdadi; com Palavra ñemoñe’e designam alguns mensajens recebidas dos deuses, especialmente recebidas Karai Ru Ete de. casos estes, pronunciacione de ne’e é idêntico ao guarani nostro em lá. Há um outro significado, entreentanto, por exemplo, de “parte divina da alma” ou “alma-palavra”, e neste caso é pronunciado ñe’eng, com ng final são Inglês e Alemão, seguido por um brevissima e nasal. Ñe’ëy é o Espírito os deuses para que você possa ser enviaM é nascer (Kap. IV e V) encarna. Ambos os animais e as árvores têm alma ñe’ëy segundo pode coligir contexto de Kapítulos XVI e IX. Em Aquele que se refere ao jaguar alma dum que havia encarnado num ser humano; e neste a alma de ipê “Tekoma ipo”. Ñe’ey, a divina palavra-alma Origem, não angue ser confundida com uma palavra que você pode Guarani-paraguaiensis é usado para descrever a alma de um defunto. Veja Kap. XIX.

#note fazer editor: Em mantendo a fonologia com Mbyá, adotar a ortografia ñe’ëy para a palavra, que parece de acordo com a explicação de som Deste que o autor expõe MESMO aqui.

Apyta. Base de dados sozinho, ORIGEM. Equibale para hopyta o Guarani-paraguayensis: extremidade coisa em Uma começa; Ele decompõe a apy: extremidade; YTA: sutiã, adernamento, Suporte. Empregado em Rapyta ayvy: fundação dá linguagem humana; mborayu Rapyta: amor Origem do vizinho; área Rapyta: Origem do universo, etc.

Kuaarara. palavra sagrada, composto de kuaa, a saber; ra, radical Jera, mbojera, guerojera: criar. Seu significado literal é “Sabedoria”, “criador de poder”. As definições I transcrebo, emitidos pelo major Francis, Tava’i, e aprovadas por outros líderes, corresponde ao texto de Ayvú Rapyta, e dá uma idéia do valor para o Mbyá contém essa palavra sagrada, que nunca é pronunciado em Presenza de estranhos. Deve-se notar que em tataendy: lama, é a manifestação visíbel de divindad; e tatachina: névoa fraca, é o nevoeiro que dá vida que infunde Vitalidade em todos os seres.

Note editor. Primeira edicione aqui inclui fragmentos desta mesma kapítulo 11-15. Esta palavra sagrada e transcritas etimologia DEFINIÇÕES explicam, o assunto de tanta especulação, de Kuarahy OU Kuaray sol; por exemplo: kuaa:. a saber; re: criar; ‘E: Coluna, Mastro, Manifestação: a Manifestação da Sabedoria e criador (o Ser Supremo) poder. Também fazer-se inferir a partir do contexto que é a luz fonte kuaarara iluminava o caos Meio criador em antes de ser inbentado do Sol, que é a MESMA fonte de luz falada por Apapocuva em anais SEUS.

Tataendy. Chamas manifestação visível da divindade. Um povo a quem os deuses POEM em graça divina, aparecem chamá-los, tataendy, nas palmas das mãos e solas dos pés; ver Kap. VI e XVI. Karai Ru Ete é o proprietário de chamas divinas; ver Kap. III, Parte II. Tatachina. Tatachi: fumaça; Ra, na: semelhante a; eles o que eles vão se tornar. fina camada de névoa aparece no início da primavera, em consequencia considerado pelo Mbyá capaz de infundir você Vitalidade em todos os seres. Eu uso a frase “nevoeiro que dá vida” de traduzir, para expressar o conceito para o Mbyá contém. Neste fenômeno climático, que ocorre regularmente no final do inverno, os agricultores chamam nostros tatatiná. Jakaira Ru Ete é o proprietário deste nevoeiro; ver Kap. III.

Sugestivo considerar o emprego, por Guayaki, cera de abelha cuja fumaça quando queimado, eclipse afasta, espíritos maus e “temperar” o jaguar.

Oãmyvyma. Em Virtude subiram, tendo assumido a forma humana. Para: ser ereto (ver nel voz MESMA Tesouro: 3v, Montoya); py, MBY, partícula verbal. Nas notas seguem para kap. IV como o leitor vai encontrar palavras derivadas radicais dEste: valor indiscutíbel do filólogo. Ogueroyvára. Hoube fizesse o que parte da própria divindade, Hoube esse órgão vital fosse divindad propria (compare ogueroke-se com, com ELE fez que dormisse enquano dormia ELE, etc.).

Mborayu petë’i. Um pouco de amor, só amor um. Origem fundação OU mundo de amor (o outro): nel contexto Rapyta mborayu also aparece.

Ino Ochareko. Analisou; observou cuidadosamente. Em Guarani-paraguayensis diria: ojesareko Mante, itereí ojesareko. Ino equivalente a iterei nostro: muito, superlativamente. Tambem tesáreco ver a voz que dá Montoya (1876 Tesoro: 373v).

Mboja’o. Divide, distribuir. Diz-se also arandu amboja’o: assimilou Sabedoria (parte da sabedoria dos deuses).

a’a mba’e. UO cantar hinos sagrados. A’a (ha’ã) esforçar-se (para Obter algo). As músicas cantadas e orações são cantadas pela hum esforço realizam Mbyá obter coragem e força, Sendo conceito encerrando a’a mba’e “esforço face (para Obter força espiritual)” Veja Kap. IV, notas.

Ñeychyrõ. Repetido, colocar em UO fileiras linhas; Contemporâneo Guarani-paraguayensis: ñembohysyi. Amoñeychyrõ Porã arandu: Repito UO explicar a boa Sabedoria (dos deuses). Amoñeychyro Ayvu Porã: Repito belas palavras (que me inspirou os deuses).

Mavaë. Qual a Quem; guarani-paraguayensis: MAVA.

Ñamandu Ru Ete. O Verdadeiro Pai Ñamandu; OU, possibelmente, o verdadeiro pai ou Ñamandu; deus sol. Em minha opinião, é decompõem em ñe’a, esforçando-se, levantar-se; dedicar a-ser orações; Andu, ENDU, perceber, perceber. análise Um do conceito de que abarcam a voz e sua induzem a acreditar que o significado de Ñamandu Verdadeiro Ru Ete é derivações: o verdadeiro pai dos que conscientemente elevam; OU possibelmente, o pai Verdadeiro daqueles que escucham orações. Nel primeiro caso, Ñamandu seria o pai do Verdadeiro Humanidade; nel segundo, o Verdadeiro Pai dos deuses. Como Ñamandu Demais creou os deuses, a segunda hipótese parece Mais razoável. Veja tambem as Vozes ñe’ã e mba’e a’a nel Kap. IX. Karai Ru Ete. Deus do fogo, o verdadeiro pai do Karaí; Jakaira Ru Ete, deus da primavera e do proprietário do nevoeiro que dá vida; Tupã Ru Ete, deus da água, etc. Destes Faculdades os deuses estão listados nel Kap. III.

rechéi Opy’a. Seu contra PRÓPRIO korazon. Compare o Rehe-se com Vozes, rehéi, rechéi que dá Montoya (Tesouro: 341), e ainda são empregados nel Guaira (Villarrica) por idosos.
remimboguyrapa Ne. Aqueles a quem você há arcos provido, a humanidade masculina, sinônimo de ne remimbojeguakáva, aqueles ao seu com quem de EMBLEMA OU masculinidade pena adorno adornaste.

marã’ey Ayvu. palavras sem, palavras indestrutíveis mal. São as palavras dos hinos e orações são feitas. Veja marã’ey, Kap. VI, observa.

Kurie. Um em um futuro próximo. Veja esta voz nas notas às seguem Kap. IV; Tambem a partícula e, Kap. VI.

Katua. Muito em quantidade, ver Kap. IX, observa.

Ore, yvára tyre’y mbovy i. Nós Paradiso alguns órfãos. Possibelmente melhor seria Publicações Tradução: US algumas coisas que Vivemos afastados de divindad. Veja ty, Kap. IX.

jekuaa Omboyvára. Houbessem fez cientes da divindade.

Kuaarara Rapyta ogueno’ã rire. Depois de ter sido inspirada pelas origens da Sabedoria criadora. Montoya (Tesouro: 238) dá a voz com ño’a o significado de Ajuntament de Coisas; em conjunto; creio o significado I é, entretanto, o Correto, leitor podendo forma Juízo PRÓPRIO recorrendo às notas sobre a voz e seus derivados, que seguem para Kap. IV.
Gueromoñemoña. Torná-lo gerar como parte de PRÓPRIO ser, Ou torná-lo gerar enquanto o ser PRÓPRIO é gerar.

Romoñemoña. Multiplikem fazê-lo. Sabendo, como sabemos ágora, que tanto o os inseparabelles “haze vital” luz e OU são atributos inerentes à divindade: Chono, Guayaki; Yapu Guasú va’e, chiripá; Jasuka, PAI-cayguã, suportada pelas extremidades coletados por Schaden e Samaniego, pode modificar o traducione-se de ogueromoñemoña. Em vez de “o fez engendrassem” PODE-se “Hoube que multiplicassem” Dizer, para tentar Coisas-se de pré-existente. Em Guarani-paraguayensis, oñemoña: é cria, se multiplicam. Amoñemoña: crio, eu multiplicar acepcione que also lhe dá Montoya, (Tesouro: 229).

Guu, tuu. Suo pai PRÓPRIO, seu pae. O duplicacione de vogal muitas vezes ocorre em Mbyá-Guarani, especialmente nas tradições e orações religiosas; por exemplo: Nuu:. Pradaria; chee: Eu, etc.

Mboupa. Assentar, Uma UO baseada colocado no pedestal.

nheengatu: excelente palavra, palavra inspirada. Guarani-paraguayensis significa charlatão. oguerojera O’evyma. Creou por-mérito-Virtude poder de Seu Dizer (verbo). D Este Ayvu Vozes do trabalho: a linguagem humana; ne’e: Palavra; e: ie abarcam mostrar que o conceito de expressar Duplo idéias e alma. Veja Kap. XIX.

Jeguakáva. Que levam o emblema da masculinidade; ver Kap. III.

Jachukáva. Que levam emblema feminilidade. Jasuka, como Nimuendajú, voz UMA é usado por Apapocuva para designar com hum motivo que as mulheres adornam na dança ritual. Ei, você só pode Ouvido língua sagrada ser usado entre os Mbyá, em jachukáva, nome sagrado de mulheres; Jachuka Chy Ete, deusa do sol; jachuka vyapu, OU mulheres hino sagrado Kanto. Nel jachuka o equivalente a linguagem comum é akãoja Poty, a touca flores adornam das mulheres. Samaniego, esboço num da mitologia Ava Guarani (Revista Turismo, Samaniego, 1944, 1945) cita a palavra MESMA, mas significando intragável com Mais sem mais profundo do que aqueles feitos por inbestigaciones Ele. O informacione de “mulher touca flores adornam” I foi dada por Pablo Vera. Um índio Alto segunda-feira, enquanto isso, assegurou que é o “sagrado” nome típico cesta Mbyá: Ajaka. ASSIM TAMBÉM não me disse recentemente Angelo Garay. Consulte “Hum Guarani enigma da pré-história, cestas milagrosas Sy Ñande Tenondé” La Tribuna. Suplemento domingo, 10 de dezembro, 1961, pp.1-4, Asunción; carta Cópia de Heine-Geldern, e trabalhos citados na carta.

Va’e JEPE. Mesmo Isto É mesmo estes.

Marãramipa. Como, que Maneira; Guarani: mba’eichapa.

A’ekue i py. Um OU já mencionado acima.

Jipói. Não há; Guarani: ndaipóri.

 

 

 

 

 

 

.

Douglas Diegues (Rio de Janeiro, 1965) é o autor do livro de poesia escrito Primeiro em portunhol mundo Neste, e esgotado e praticamente impossível encontrar um prazer de andar nu por estas florestas – Sonetos Selvagem (Travessa dos Editores, Curitiba, PR, 2002 ). Ele publicou Uma nd da aba flor MISÉRIA (Eloisa Cartonera; Buenos Aires; 2005); O paraguaio Astronaut (Yiyi Jambo, Assunção, 2007) e Tríplice Fronteira Dreams (Katarina Kartonera, 2010), Entre Outros. Seu conto INDIO RAMIREZ, foi publicado Neues vom Fluss na antologia: Junge Literatur aus Argentinien, Uruguai und Paraguai (Lettrétage, Berlim, setembro de 2010). Ele atualmente vive entre Assunção (Paraguai) e Ponta Porã (Mato Grosso do Sul, Brasil). Ele é fundador da Yiyi Jambo, o editor Cartonera Primeira do Paraguai. Comandos até agora blogue www.portunholselvagem.blogspot.com Atualmente ler o romance Primeira Juan Carlos Onetti bem e Juan Carlos Onetti, letras Um jovem escritor, correspondência com Julio E. PAYRO (Trilce / Lom edições / Beatriz Viterbo Editora, 2009). Seu e-mail é douglasdiegues@gmail.com

Comments are closed