Profecia Inca III Águia e do Condor, REINTEGRAÇÃO das tribos do mundo

Profecia Inca III Águia e do Condor, REINTEGRAÇÃO das tribos do mundo

 

inca-pachacutec

Profecia Inca Inca da Águia e do Condor, REINTEGRAÇÃO das tribos do mundo. Pachacutec visita, o nono imperador inca, o símbolo ea promessa de que podemos nos tornar

Quando as sementes estiverem em grande número todas acordados, libertas do medo e outros aspectos negativos do terceiro e quarto nível de consciência, as sementes do quinto nível  poderão brotar dentro da humanidade e formarem o todo “.

Querida família da Escola Flor da Vida , durante os dias do Império Inca, conhecido como os Filhos do Sol, havia uma profecia que me assombrava os sentido.

O sol representa a vida, eu não me refiro apenas a nossa comida, luz e calor que nos dá, mas em ele assume toda a consciência solar que dá a base das sociedades humanas harmoniosas, como uma sociedade que  convidamos a estar em conformidade com o início deste novo ciclo cósmico

Havia um imperador Inca ‘casualmente’ levava o nome de Pachacuti ou Pachacutec, o que significa, Transformação. Foi o nono  imperador Inca, construtor de Machu Pichu, e era considerado um mestre brilhante, fora do seu tempo, símbolo e promessa daquilo que podemos nos tornar.

139

Nesse momento de nossas vidas há um chamado, e sinto a presença desse imperador  com a sua aparência imponente, conectando-me de uma maneira mais profunda para uma transformação ou despertar em minha vida eu lá no fundo eu sei que significa a consolidação de algo, o ponto de virada que me fará saltar para uma nova forma de ser e perceber o mundo, para um novo sistema de crenças, mais limpa e sustentável para uma nova vida (um novo marco, em relação ao sistema de crenças que têm sustentado todas as coisas, o despertar de uma realidade que deverá ser incorporada na atual sociedade humana que terminará com um ciclo cósmico ). Estamos sempre em uma grande transformação e não vemos. Eu aprecio este momento e a chegada de Pachacutec em minha vida.

O Grandioso e Imponente Pachacutec  levanta seu cajado dourado em direção ao  sol toca a testa, beija-o e dá-lhe três golpes na terra, provocando algo que vou explicar.

A chegada de Pachacutec minha consciência

“Com a chegada dos Espanhóis (europeus) o sol(imperador Inca), caiu por terra”, “Com a chegada do Pachacutec minha consciência, o sol retornou a Terra”.

Oi Pachacutec, eu quero te dizer uma coisa importante.
Pachacutec: Oi, eu sei que você sabe quem eu sou.
Bem, eu sei o que é dito sobre você, mas eu não sei quem você realmente é, em todo o Império Inca há muito mistério, e em torno de Machu Picchu, o qual enviou mandaste construir
Eu me sinto velho, mas sua aparência é de um homem de meia-idade.

Pachacutec: Eu sou um homem velho, em sã consciência, eu venho de longe, das estrelas, eu sou uma essência da energia solar incorporada em humanos, como seu parceiro, só que eu alcancei maior magnitude do que o seu parceiro.

Eu noto a transformação para uma nova civilização solar, Eu sou o começo, quando a terra estava sendo criada, quando a solar civilização começou onde a terra transformava-se em vida  (refere-se ao corpo físico) é a terra dos seres humanos que começou a transformar-se  em um novo ser humano solar.

Você quer dizer que o corpo físico?

Pachacutec: Eu quero dizer tudo o que torna a sua unidade  de vida como ser humano : corpo, mente e espírito.

Tudo o que é transformado …

Pachacutec: Todos esses corpos são melhor acoplados uns aos outros, formando a unidade sagrada.
E onde está o coração?

Pachacutec: No espírito, o espírito é o mensageiro sagrado do coração criador a centelha divina em você que traz as bem aventuranças.

Até agora, o “espírito” nos deu mais dores de cabeça, olha o que os espanhóis fizeram ao Império Inca, derrubaram  o sol (Atahualpa Yupanqui). Eles trouxeram o cristianismo para o ‘Incas selvagem “um império que lhes dava 1.000 voltas para se tornarem convertidos e  civilizados, crentes em Deus.

Pachacutec: Estes seres interpretaram mal o Ensino Sagrada , o utilizaram de maneira errada e impuseram  uma cultura mesquinha que agora chega ao fim, abrindo caminho para o amanhecer da Cultura do Sol, que prevalece em todas as sociedades harmoniosas.

Mas essa Cultura de adoração do Sol por que temos que adorá-lo ? Porque eu não vou adorar ninguém.

Pachacutec: Não tem que, apenas respeite, honre e aprecie o que ele traz para a sua vida: evolução e mudança.

O sol é agora um sol mãe, certo?

Pachacutec: O sol que nasce agora, como uma Princesa Multicolor, é maternalmente feminina, sim.

É o que você veio para anunciar?
Pachacutec: Sua maior transformação jamais experimentada antes ,sua transformação em um ser humano esplêndido, com habilidades divinas reabilitados por sua consciência.

Ok, Pachacutec, me diga o que traz este novo Pachacuti?

Pachacutec: Uma mudança notável para melhor.

Mesmo apesar da tremenda polaridade entre mental e entre o consciente?
Pachacutec: Precisamente, a separação das duas realidades internas é tão clara, que deve ser evidenciada na vida cotidiana, em seu cenário comum.

Há também muita dúvida daqueles que são mais sensíveis a essas mudanças já que estão bastante desconfiados ou seja  nem tudo que reluz é ouro.

Pachacutec: Seu próprio coração brilha, não suas ações.  Receberá ajuda para colocar uma balança em seu coração será ajudado a colocar o equilíbrio da vida no seu coração, e não em sua mente.

Estou feliz por eles, para que eles possam experimentar em suas vidas diárias a bondade de seus corações.

Obrigado pelo que você me transformou hoje.

Pachacutec: É uma ativação muito maior do que possa compreender agora.
….

Querida Família, Eu sou a unidade na diversidade, que é o que eu quero dizer, esse é o meu presente. Se Pachacutec chegou a anunciar que a transformação, em mim, que eu poderia representar a unidade, é porque há muitos outros seres humanos conscientes pronto para se tornarem  homens solares.

Vamos ver o que nos dizem os incas sobre a profecia de voo comum da águia e do condor e seu significado. uma profecia bastante otimista …

14212096_1285520611458463_6169403100901102247_n

A Profecia Inca

As profecias andinas principalmente a dos incas estão focadas no conceito de transformação, conhecida como Pachacutec ou Pachacuti. Pacha significa o cosmos ou a Terra, enquanto Cuti significa mudar, transformar,ou seja “o que muda a terra” ou “O Transformador da terra” . Pachacuti ou (Pachacutec) foi o nome dado ao soberano nono Inca, que construiu Machu Picchu e o Império dos Filhos do Sol Como o nome indica, foi transformador na  sociedade Inca, que começou na quinta era Inca mundial ou o quinto sol, que, ironicamente, também trouxe o fim do mundo Inca.

O tempo de Pachacuti ou Pachacutec trouxe a chegada dos conquistadores espanhóis e, finalmente, a destruição do império. Em uma fúria da violência, a mais alta ordem cultural que se tem conhecimento nos Andes e que foi rapidamente destruído.

As  profecias Andina Incas previam o retorno de Pachacuti (Pachacutec), mas não são profecias da desgraça – prometem um novo começo a humanidade “, um ouro milênio na Terra” Eles falavam sobre o potencial que viria para “ficar fora do tempo”. que não é simplesmente um conceito metafórico, mas uma realização concreta que pode despertar todas as pessoas do mundo.

Quando saímos fora do tempo, nós deixamos todos os conceitos passados ​​e toda a percepção resultante do nosso senso normal de tempo e do espaço. Esta mudança nos dá a possibilidade de recriar a nós mesmos em um paradigma totalmente novo . De acordo com Villoldo, as profecias falam de um “rasgo no tecido do tempo”.

Anciões andinos reconhecem este evento, que é um fenômeno perceptível apresentando para a humanidade uma grande oportunidade. Se somos capazes de renunciar cada conceito de limitação que temos sobre nós, vamos finalmente ver o esplendor das pessoas que podemos ser.  O que o povo da cultura Inca sempre soube.

Que somos em fato sementes de luz divina, sementes de Deus.

As profecias andinas implicam que as entradas para outras dimensões estão abrindo novamente. Américo Yabar se refere ao tempo atual de Pachacuti como “o tempo da nova semente.” A nova humanidade será capaz de perceber o universo de uma forma radicalmente diferente; seremos capazes de sair fora do “tempo linear”.

As profecias também falam do Tempo Mastay , ou a reintegração das pessoas nas quatro direções. Os qero (Quero) e outros andinos ofereceram seus ensinamentos para ajudar o mundo a se preparar para o Grande Mastay. Assim como eles expressão, o tempo está chegando para A Grande Águia do Norte e do Sul, o  Grande Condor (referindo-se às Américas como um todo) voem  juntas novamente.

Os ensinamentos andinos Inca envolvem Mosog Karpay, uma cerimônia especial em que a semente de Pachacuti é conduzida a fundir-se no corpo luminoso de cada destinatário, assim, através de uma transmissão de energia, ligando o indivíduo com o poder de linhagem antiga, o semeador de Wiracocha. Dentro da semente são todos os códigos de corpo de luz dos Incas, os seres deuses conectados diretamente com as estrelas.

Há muitas maneiras para despertar a semente da divindade em todos nós. Através da oração (o discurso sagrado), através da cerimônia e ritual (ações sagradas), através da transmissão direta (a graça sagrada), ea prática de Ayni (o santo), as sementes dentro de nós podem acordar e prosperar. No entanto, essas sementes não vão acordar até que nos livremos das falsas crenças que nos dizem,  que estamos separados da natureza.

Para despertar Precisamos nos libertar da visão limitada do mundo cartesiano e nos encontrarmos com a divina Mãe Cósmica. Neste contexto Alberto Villolldo chama a seguinte  atenção: para ganhar tal expansão da consciência, os ocidentais primeiramente precisam derrubar o mito de que fomos expulsos e separado da fonte divina.

“Nós somos as únicas pessoas no mundo que foram expulsos. Todos os povos primitivos (nativos americanos, indianos, indígenas, etc …) têm uma comunhão com a Terra e tudo o que pertence a ela. Eles ainda podem caminhar na Terra, eles ainda podem falar com as árvores, rios e os rios respondê-las. “

Precisamos oferecer a Pachamama (Terra) a nossa Ayni (ser sagrado) mais elevado. Esta pode ser a única coisa mais importante que podemos fazer, como indivíduos ou tanto como uma comunidade humana.

O parecer andino holístico da importância as inter-relações também  que se estende aos tipos de pessoas e culturas. Neste ponto de vista, existem três tipos de pessoas:

-Aqueles Que têm conhecimento, conhecido como Yachay.

-Aqueles Que têm amor e sentimentos, conhecido como Munay.

-Aqueles que têm a capacidade de se manifestar, conhecido como Llankay.

O povo europeu personifica principalmente o grande poder intelectual do Yachay. América do Norte as pessoas dizem ter o poder físico mais desenvolvidos e força de vontade que leva à ação no mundo externo, correspondendo a Llankay. E os índios da América do Sul são ditos possuir o maior amor, o que representa Munay.

No entanto, de acordo com o pensamento andino, nenhuma dessas habilidades é superior uma a outra na verdade elas completam-se. Pessoas de todas essas qualidades complementam um ao outro, e apenas quando estes três modos de trabalhar em conjunto acontecerem, haverá uma humanidade unificada.

Além disso, e mais importante, estes três aspectos da mente, do corpo e do coração, bem como as três pedras simbólicas que os Mayas estabeleceram em suas casas, devem ser misturadas dentro de cada indivíduo.

Todos os desequilíbrios dentro dos indivíduos, dentro das culturas separadas, e dentro da humanidade como um todo, devem ser corrigidos.

O antigo conceito andino das relações tem muito a oferecer ao nosso mundo moderno. Isso nos convida uma profunda reflexão de que todos temos que trabalhar juntos, em cooperação, unindo os nossos pontos fortes e fracos como indivíduos e como um ponto coletiva, no espírito de troca e reciprocidade. Somente através do espírito de reciprocidade, vamos completar-nos como indivíduos e como humanos.

Fonte: Judith P. Bluestones “O retorno dos Filhos da Luz: Profecias dos incas e maias para um mundo novo”.
Profecias dos Incas Queros

“Siga seus próprios passos, aprenda com rios, árvores e pedras. Honre seus irmãos e irmãs. Honra a Mãe Terra e o Grande Espírito. Respeite a si mesmo e toda a criação. Olhe através dos olhos de sua alma e se comprometa com o essencial “.
Profecias dos xamãs Incas Q’ero
Por Brad Berg
A luz do idealismo brilhava nos olhos de Dr. Alberto Villoldo descreveu após um  terremoto em 1949 debaixo de um mosteiro perto de Cuzco, Peru, que havia deixado a terra em dois, expondo um antigo templo inca de ouro. Este foi o sinal de que as profecias de Mosoq, o “tempo”, teve que ser compartilhado com o mundo moderno. Dr. Villoldo, um psicólogo e antropólogo médico, viveu e aprendeu entre os xamãs Q’ero e tem desempenhado um papel fundamental em trazer o seu ritual e profecia para a consciência do mundo moderno.

O Q’ero são os últimos Incas – uma tribo de 600 pessoas que procuraram refúgio a alturas superiores a 4.200 metros, a fim de escapar dos conquistadores . Durante 500 anos, a tribo Q’ero preservaram uma profecia sagrada uma grande mudança, ou Pachacuti, em que o mundo se transformaria, e onde a harmonia e a ordem seria restaurada, terminando o caos e a desordem.

O Q’ero tinha vivido em suas aldeias nos Andes, quase isolados do mundo até à sua “descoberta” em 1949. Nesse mesmo ano, um antropólogo Oscar Nunez del Prado, foi a um festival em Paucartambo um vale no leste do sopé dos Andes, sul do Peru, quando se encontrou com dois índios que falavam fluentemente quíchua, a língua dos incas. A primeira expedição ocidental para as aldeias Q’ero teve lugar em 1955.

Quatro anos mais tarde, no retorno festa anual das Plêiades, que acontece nos Andes, reunindo cerca de 70.000 peregrinos da América do Sul (muitos xamãs) foram surpreendidos e a multidão se afastou para deixar os Q’ero , sem aviso prévio e vestindo o emblema inca do sol, foram direcionados para o cume da montanha, para divulgar que o tempo das profecias estava perto. Eles foram recebidos pelos presentes que lhes disseram: “Eu tenho esperado por 500 anos.”

Recentemente, anciãos Q’ero viajaram para a América do Norte como um cumprimento de suas profecias. Em novembro de 1996, um pequeno grupo de Q’eros, incluindo o líder da tribo e o xamã cabeça, visitaram várias cidades norte-americanas, incluindo Nova York, onde se realizou uma cerimônia privada na Catedral de St. John “the Divine”(O Divino).

O ritual xamânico não tinha sido realizada por cerca de 500 anos. Mas na mesma casa daqueles que simbolizavam os antigos conquistadores de seus ancestrais incas eles compartilharam seu ritual e conhecimento, não apenas ocidentais interessados ​​em aprender seus costumes, mas também com o decano da grande catedral, ligando de maneira simbólica e espiritual dois continentes, a América do Norte e América do Sul.

De acordo com uma antiga profecia, este é o momento do grande encontro chamado mastay e reintegração dos povos dos quatro pontos cardeais. O Q’ero estão oferecendo seus ensinamentos para o Ocidente, em preparação para o dia em que a Águia e o Condor Norte Sul (Américas) voarem juntos novamente.

Eles acreditam que Munay, amor e compaixão, será a força motriz deste grande união dos povos.
a reconstrução do templo Pachacuchi.

“Os novos guardas da terra virão do Ocidente, e aqueles que tem causado um impacto maior sobre a Mãe Terra agora têm a responsabilidade moral de refazer sua relação com ela, depois de refazer-se”, disse Don Antonio Morales, um mestre shaman Q’ero. A profecia afirma que a América do Norte irá fornecer a força ou corpo físico; Europa irá fornecer o aspecto mental, ou na cabeça; e o coração será fornecido pela América do Sul.

Os Sinais da Profecia se Comprindo

Quando os espanhóis conquistaram os incas há 500 anos, o último pachacuti,ou grande mudança, ocorreu. Os Q’ero tem esperado desde então o acontecimento do próximo pachacuti acontecer , quando as coisas eram diferentes em seu tempo e certos acontecimentos (conquista espanhola) levaram  a desordem e ao caos. Nos últimos cinco séculos, preservado o seu conhecimento sagrado, e, finalmente, nos últimos anos, sinaliza que o grande momento de mudança esta perto de ser  comprida: as lacunas nas montanhas altas secaram, o condor está quase extinto e ele descobriu o Templo de Ouro, após o terremoto em 1949 que representou a ira do sol.

As profecias são otimistas. Estes referem-se ao fim do tempo como nós a entendemos – a morte de um modo de pensar e ser, de uma maneira de se relacionar com a natureza ea terra. Nos próximos anos, os Incas espera que emergem em uma idade de ouro, um milênio de ouro da paz. As profecias também falam de mudanças tumultuadas na terra, e em nossa psique, redefinindo nossos relacionamentos e espiritualidade.

A próxima pachacuti ou grande mudança, já começou, e promete o surgimento de um novo ser humano após este período de confusão. O caos e turbulência característica deste período irá durar quatro anos, de acordo com Q’ero. O paradigma da civilização europeia continuará a entrar em colapso e os trabalhos dos povos da terra novamente. Mais importante, os xamãs cabeças falar de uma lágrima no próprio tecido do tempo. Isso nos dá uma oportunidade de descrever não gostar do que temos sido no passado, tanto pessoal quanto coletivamente, mas o que estamos nos tornando.

Pachacuti também se refere a um grande líder inca que viveu no final do século XV. Diz-se que ele construiu Machu Picchu e foi o arquiteto de um império de tamanho igual ao dos Estados Unidos. Para os incas, Pachacuti é um protótipo espiritual – um Mestre, um iluminado do seu tempo. Ele era um Messias, mas não no sentido cristão do único filho de Deus, além do alcance da humanidade. Em vez disso, ele é considerado como um símbolo e uma promessa do que podemos nos tornar. Os incas personificam a essência das profecias de Pachacuti, como Pacha significa “terra” ou “tempo”, e cuti significa “colocar as coisas em seu lugar.” Seu nome também significa “transformador da terra.”

As profecias Pachacuti são conhecidos nos Andes. Há aqueles que acreditam que as profecias se referem ao retorno do líder Pachacuti para derrotar aqueles que usurparam a terra dos Incas. Mas de acordo com Dr. Villoldi, o retorno de Pachacuti está ocorrendo em um nível coletivo.

“É o retorno de um único indivíduo que encarna o que estamos a tornar-se, mas um processo de emergência que é para todas as pessoas.”

estrela-brilhante-iluminando-wallpaper-15709

Os Rituais da Estrela

O Q’ero têm servido como guardiões dos ritos e profecias de seus ancestrais incas. As profecias são inúteis, a menos que se tenham as chaves, os ritos de passagem. Rituais da Estrela, ou Mosoq Karpay (Ritos do tempo por vir), são cruciais para o crescimento das práticas descritas nas profecias.

Segundo os “tributos” (mesa de oferendas rituais, ou cachos de plantas medicinais) na recente cerimônia em Nova York, e depois de uma limpeza medicinal realizada pelas  esposas dos xamãs, os xamãs administraram o Mosoq Karpay ao público presente , transmitindo as energias originárias com os antepassados de suas linhagens.

A transmissão Mosoq Karpay é uma  cerimônia que representa o fim do relacionamento que você tem com o tempo. É um processo do coração. Este processo de “tornar-se” é considerado mais importante do que as próprias profecias.

O Karpay (ritos) plantam a semente do conhecimento, a semente de Pachacuti, no corpo iluminado do vaso que o carrega. Depende de cada pessoa a água é preciso regá-la para que ela possa crescer e florescer. Os ritos são uma transmissão de potencial; devendo em seguida, abrir os caminhos do destino.

O Karpays conectam as pessoas com uma antiga linhagem de conhecimento e poder que o indivíduo não pode acessar – só pode ser convocado por uma tribo. Finalmente, este poder pode dar o impulso para se fazer um salto para o corpo de um Inca, um iluminado. (Neste sentido, o Inca refere-se a um homem auto-realizado). Essa pessoa está diretamente relacionada com as estrelas, a cosmologia Solar Inca.

default

Recuperando nossa natureza iluminada

De acordo com Dr. Villoldo, os Incas acreditam que devemos morrer para os antigos modelos de espiritualidade e percorrer os ritos de uma auto-renovação, convertendo nos a um nascimento de um novo modo de pensar.

“These paths, trails shaman, the person who walks with beauty and grace in the world, are now available to all of us. We need to demystify and learn to honor and respect our Mother Earth, and our Father, the sun, and heaven – and learn from everything and everyone around us, using these examples of power so we can make a quantum leap in what we are becoming, all of us together. “

“Estas trilhas, o caminho dos  xamãs, a pessoa que caminhar com beleza e graça pelo mundo, estão agora disponíveis para todos nós. Precisamos desmistificar e aprender a honrar e respeitar a nossa Mãe Terra, e nosso Pai, o sol, e o céu – e aprender com tudo e todos ao nosso redor, usando estes exemplos de poder, para que possamos dar um salto qualitativo no que estamos a nos tornar, todos nós juntos “.

“O Q’ero acreditam que as portas entre os mundos estão se abrindo novamente -. Fendas no tempo, podemos passar e ir mais longe, onde podemos explorar nossas capacidades humanas Recuperando nossa natureza iluminada é uma possibilidade hoje para todos aqueles que se atrevem a dar o salto. “

Os xamãs andinos não tem um Buda ou um Cristo a seguir.

Ao contrário, eles dizem:

– “Siga seus próprios passos Aprenda com os rios, árvores e pedras Honrem o Cristo, o Buda, seus irmãos e irmãs Honra a Mãe Terra e o Grande Espírito honra a si mesmo e toda a criação …..”

– “Olhe através dos olhos de sua alma e se comprometa com o essencial”.

Fonte: Rowina (La puerta del Arco Iris)

Comments are closed